20 junho 2009

O Homem é o seu Caminho

Fatos recentes em minha vida fortaleceram ainda mais minha opinião de que a principal qualidade de um ser humano é a honestidade. Principalmente quando falamos de quem exerce a profissão de vendas.

No meu último comentário neste blog, falei sobre vendedores endividados. Realmente acredito que a situação pela qual um profissional passa em sua vida, pode atrapalhar a correção de suas atitudes e comportamentos, impactando o resultado final da empresa.

Obviamente, não é somente a situação do vendedor que impacta a qualidade de suas vendas. A situação da própria empresa, a orientação moral de seus dirigentes e a cultura organizacional também tem seu impacto na forma com a qual a empresa vende e como trata seus clientes.
Alguns concordam com a lógica maquiavélica – infelizmente, tive o desprazer de conviver com alguns em minha carreira profissional – e acreditam que os fins justificam os meios. Apregoam que se o objetivo a ser alcançado for importante, qualquer meio para obtê-lo é aceitável, praticando isso em suas empresas, na política e em suas vidas pessoais. Tratava-se de um relativismo da ética e da moral.

Acredito que o caminho que um ser humano constrói acaba se tornando sua própria essência. Mais do que ele possa dizer, a somatória de suas atitudes e comportamentos é o que realmente o qualifica. Isso diante de tempos bons, mas, principalmente diante dos tempos ruins.
Veja por exemplo, a situação que muitos se deparam durante os difíceis tempos de guerras. Durante a Segunda Grande Guerra, muitos puderam escolher entre o colaboracionismo ou a resistência. Os que escolheram pelo colaboracionismo – termo atribuído àquele que tende a auxiliar ou cooperar com o inimigo – podem tê-lo feito justificando-se pela proteção ou segurança pessoal, ou mesmo pela coação ou pelo simples medo. Outros, podem tê-lo feito apenas em função do lucro, do enriquecimento ou pela obteção de favores do lado inimigo. Mas, quais a consequências destes atos? Cada um tem sempre o seu próprio livre arbítrio.

Particularmente, concordo com o professor Aguinaldo Pavão, que coloca em seu blog , “Na verdade, a tese de que os fins justificam os meios pretende ser ela mesma um princípio para justificar ações. E, a meu ver, um princípio moralmente permissivo, o que significa dizer um princípio totalmente impróprio para justificarmos a moralidade de uma ação qualquer”.

A credibilidade de um profissional de vendas é um de seus maiores tesouros. E devemos sempre procurar construir, reforçar e certificar essa credibilidade em cada contato e ação que temos com nossos clientes. Somente assim edificaremos um caminho correto. Somente assim edificaremos a nós mesmos!

2 comentários:

  1. Concordo com que diz o Mestre, a credibilidade é fudamental para quem quer permanecer na carreira de vendas.
    Porém devemos saber o momento de ser honesto. Veja o caso do vendedor de creme para celulite. Você já viu alguma potecial cliente admitir que tem celulite??

    ResponderExcluir
  2. Nelson,
    Talvez não tenha compreendido corretamente o seu comentário, pois quando interpretamos as palavras "porém" e "o momento de ser honesto" elas induzem a concluírmos que exisem momentos para sermos honestos e outros não, Se for este o seu ponto de vista, devo dizer apenas que devemos ser honestos a todo o momento, sempre.

    ResponderExcluir

 

©2009 VENDAS B2B | Template Blue by TNB