13 janeiro 2010

Um negócio que surgiu do nada, ou no nada...

Esse relato provavelmente é mais um “causo” de empreendedorismo do que algo ligado a negociação e vendas. Mas senti uma vontade danada de compartilhar com vocês e aqui vou eu...

A vontade de escrevê-lo veio à mente junto com a frase “– Todo vendedor tem que sentir prazer em servir!”. Ela foi me dita pelo diretor de vendas de uma das maiores empresas de telecomunicação do Brasil, que pilotava o atendimento de grandes conglomerados e respondia por uma receita na ordem de alguns Bilhões de reais. Sim, bilhões com B maiúsculo.

Lembrei dela quando me foi gentilmente servido um “escalda-pé” pelo dono de uma pousada muito simples em Monte Branco, que fica na zona rural de Piracicaba-SP e não chega a uma dezena de casas no sopé de uma montanha que dá nome a comunidade. Havia acabado de percorrer um trecho de 25 km a pé, de um total de 248 km, pelo interior de São Paulo, chamado Caminho do Sol, que fiz neste final de ano.

Em 2002, quando se iniciaram as peregrinações por este caminho, o segundo grupo de caminhantes encontrou o local de descanso e pernoite em Monte Branco de portas fechadas. Tratava-se da igreja da comunidade, que os organizadores da rota haviam conseguido como pouso por meio de um acordo com o padre local.

Acontece que o padre voltou atrás e decidiu não abrir as portas aos peregrinos, cerca de 20 pessoas, que haviam ali chegado após um longo trecho de caminhada. Dizem que o padre assim agiu, por achar que os caminhantes acabariam trazendo “coisas ruins” para aquela comunidade.

Pois bem, uma senhora chamada Adriana, moradora do local que havia sido contratada para fazer as refeições para o grupo, ao ver todas aquelas pessoas sem terem onde ficar, não teve dúvidas, conseguiu colchões emprestados numa cidade próxima e trouxe todos para dentro de sua própria casa, que era muito simples e nada grande. Ela, as crianças e a mãe dormiram na cozinha e o marido passou a noite dentro de seu carro.

Hoje, Adriana e seu marido, chamado Jesus, são os hospitaleiros oficiais de Monte Branco, e apesar de uma série de dificuldades, conseguiram construir uma pousada, que pouco a pouco vão ampliando, e vivem dela. Desde 2002, mais de 4 mil peregrinos percorreram o caminho, todos pousando na localidade com a Adriana e Jesus, que já planejam construir uma piscina para suas filhas e seus hóspedes. Eles vivem em função da renda que obtêm dos serviços que oferecem.

No dia seguinte em que me hospedei lá, sai de Monte Branco bem cedo, cerca de 5:45 da manhã, e passei pela igreja. Havia um senhor na frente dela, que imaginei ser o tal padre. Disse bom dia, mas não fui respondido. Pode ser que ele não tenha ouvido... Mas, de qualquer forma, me veio um pensamento à mente: o padre pode ter até fechado as portas da casa que ele julga dele, mas Jesus sabe servir e abriu as portas da própria casa!

6 comentários:

  1. Isso é praticamente uma parábola, que traduz o dia-a-dia do vendedor, que tem que fazer todo o atendimento, sem garantia nenhuma, com seu coração sereno e sorriso no rosto para, se tudo der certo, ganhar um pedido no final dos trabalhos.

    A parte final, é Ele quem da a serenidade no coração, pois já dizia o poeta: "Sereno é a paz de estar em par com Deus"

    ResponderExcluir
  2. Milano/Vanessa:
    Obrigado por suas palavras. Não tinha imaginado o texto por este ângulo da parábola. Baita elogio que vocês me deram... parábola é coisa séria...
    Abração!
    Renato Romeo

    ResponderExcluir
  3. As pessoas que possuem algo de valor para oferecer geralmente serão recompensadas de alguma forma. Esta é uma das regras mais espetaculares do mundo em que vivemos.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom! espero pelos proximos...

    ResponderExcluir
  5. Romeo você é o melhor do Brasil, muito obrigado por tudo!!!

    ResponderExcluir

 

©2009 VENDAS B2B | Template Blue by TNB